CBO 2152-20 - Superintendente técnico no transporte aquaviário - Descrição do cargo, funções, competências e atividades exercidas pelos oficiais de máquinas da marinha mercante

O profissional no cargo de Superintendente técnico no transporte aquaviário CBO 2152-20 Dirige órgão técnico no transporte aquaviário, atuando em armadores, nos serviços portuários, na construção naval e em outros cenários de trabalho, geralmente em terra, aplicando conhecimentos de legislação marítima e ambiental, administração aplicada, máquinas, equipamentos, sistemas e tecnologias navais, dentre outros das ciências náuticas e afins Acompanha desempenho de navios, gerencia pessoal e sistemas de manutenção, administra serviços, documentação, custos e materiais e conduz processos de aquisição.

Planeja e implanta programas de treinamento Coordena fluxo de comunicação Cumpre normas, regulamentos e convenções nacionais e internacionais de segurança e preservação do meio ambiente aquaviário.

CBO 2152-20 é o Código Brasileiro da Ocupação de oficiais de máquinas da marinha mercante que pertence ao grupo dos profissionais das ciências exatas, físicas e da engenharia, segundo o Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Confira funções, descrição do cargo de Superintendente técnico no transporte aquaviário, atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário pago para os Oficiais de máquinas da marinha mercante CBO 2152-20 em todo Brasil.

Divisões de categorias profissionais do CBO 2152-20

  • Profissionais das ciências e das artes.
    • Oficiais de máquinas da marinha mercante.
      • Profissionais das ciências exatas, físicas e da engenharia.

O que faz um Superintendente técnico no transporte aquaviário

O Superintendente técnico no transporte aquaviário CBO 2152-20 dirige órgão técnico no transporte aquaviário, aplicando conhecimentos de legislação marítima e ambiental, administração aplicada, máquinas, equipamentos, sistemas e tecnologias navais, dentre outros das ciências náuticas e afins Trabalha em armadores, nos serviços portuários, na construção naval e em outros cenários de trabalho, geralmente em terra, do transporte aquaviário, participando do planejamento da logística, de negociações de obras junto a estaleiros e de decisões sobre velocidade de navio.

Participa da previsão orçamentária.

Analisa relatórios técnicos Acompanha a evolução tecnológica nos transportes aquaviários.

Utiliza sistemas informatizados de planejamento e gerenciamento da manutenção Coordena a emissão e a atualização de orientações técnicas a serem adotadas nas seções de máquinas das embarcações.

Gerencial pessoal, identificando necessidades de contratação e estabelecendo cronograma de trabalho.

Acompanha desempenho de navios, supervisionando velocidade contratual da embarcação, tempo de bombeamento de carga e consumo de combustível em viagem e no porto Supervisiona quantidade, distribuição e disposição da carga transportada, a fim de garantir sua qualidade.

Propõe medidas de melhoria do processo de carregamento.

Mantém navio disponível para aluguel Administra serviços, documentação, custos e materiais relacionados com máquinas e equipamentos de embarcações, contratando serviços de manutenção e reparo, gerenciando cumprimento de cláusulas contratuais, fiscalizando escrituração da documentação, gerenciando custos de operações e insumos, controlando estoque e aquisição de materiais e peças de reposição Participa das decisões referentes a equipamentos, a bordo e em terra.

Gerencia sistemas de manutenção, avaliando custos de reparo, negociando condições de reparo e docagem com a empresa, providenciando reparos e acompanhando serviços de docagem em estaleiros Sugere melhorias em equipamentos, junto ao fabricante e ao órgão classificador Conduz processos de aquisição, contatando prestadores de serviços e fornecedores de materiais, auxiliando negociações sobre contratos de fretes e coordenando compra de combustíveis.

Recorre, quando necessário, ao comércio exterior para compra de componentes e peças de reposição de máquinas e equipamentos de embarcações Acompanha vistorias e realiza auditoria de navios.

Supervisiona atuação da equipe técnica de suporte Coordena atuação das agências e representantes de transporte aquaviário Planeja e implanta programas de treinamento, por meio de cursos de aperfeiçoamento e outras estratégias, identificando necessidades de treinamento, com focalização em temas de segurança, prevenção e combate à poluição, dentre outros.

Mantém certificação de navios junto a órgãos competentes Garante a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI) Coordena fluxos de comunicação, reportando, aos superiores, condições e problemas emergenciais de operações do transporte aquaviário e comunicando, aos órgãos competentes, agressões ao meio ambiente.

Elabora relatórios técnicos.

Funções do cargo

O funcionário CBO 2152-20 deve acompanhar desempenho do navio, gerenciar tripulantes, gerenciar sistemas de manutenção, treinar tripulantes, administrar seção de máquinas, realizar serviços em terra, coordenar fluxos de comunicação, demonstrar competências pessoais.

Condições de trabalho dessas profissões

Oficiais de máquinas da marinha mercante trabalham em transporte aquaviário, serviços portuários, atividades de pesca, construção naval e em organizações internacionais. São assalariados, com carteira assinada, trabalham em equipe, sob supervisão permanente, confinados em embarcações, em rodízio de turnos e horários irregulares. Em algumas atividades podem trabalhar em alturas, permanecer em posições desconfortáveis por longos períodos e expostos a materiais tóxicos, radiação, altas temperaturas e ruídos. Estão sujeitos aos movimentos da embarcação. As condições de trabalho podem levar ao estresse.

Exigências do mercado de trabalho para o CBO 2152-20

O acesso ao trabalho requer bacharelado em Ciências Náuticas em uma das escolas da Marinha Mercante: Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (Ciaga) no Rio de Janeiro e Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar (Ciaba), em Belém. A experiência requerida varia de zero a sete anos após a formação, conforme regulamentação. O exercício dessas ocupações, no Brasil, é regido pelas normas da autoridade marítima para aquaviários, Normam-13/2000. Internacionalmente, o exercício dessas ocupações segue normas das quais o Brasil é signatário. Tratam-se das Standards of Training, Certification and Watchkeeping for Seafarers-95 (STCW95), produzidas pela IMO (International Maritime Organization), organismo da ONU (Organização das Nações Unidas).

Atividades exercidas por um Superintendente técnico no transporte aquaviário CBO 2152-20

Um Superintendente técnico no transporte aquaviário (ou sinônimo) deve simular exercícios de colisão, manter qualidade da carga transportada, supervisionar distribuição e disposição da carga transportada, oferecer suporte técnico de instalação de equipamentos, supervisionar atuação da equipe técnica de suporte, redigir adequadamente textos de forma clara e sucinta, inspecionar navios, supervisionar quantidade de carga transportada, realizar manutenção de equipamentos de combate a poluição ambiental, ter ética profissional, fazer cumprir disciplina, demonstrar iniciativa, assistir tecnicamente na manutenção de equipamentos, simular exercícios de abandono de embarcação, controlar estoque de materiais, raciocinar logicamente, identificar necessidades de treinamento de tripulantes, demonstrar motivação, contatar fornecedores para compra de materiais, contratar serviços de manutenção e reparo, realizar cursos de aperfeiçoamento, possuir equilíbrio emocional, garantir através de treinamento a extinção de fontes poluidoras, trabalhar em equipe, simular exercícios de incêndio da embarcação, participar das decisões de equipamentos a bordo e em terra, adequar a operação e desempenho do navio para manter o cronograma, manter certificação do navio junto a órgãos competentes, otimizar processo de carregamento, supervisionar consumo de combustível em viagem e no porto, dominar línguas estrangeiras, reportar condições de operacionalidade dos equipamentos aos superiores, identificar necessidades de contratação, demonstrar coragem, realizar cursos de aperfeiçoamentos, demonstrar capacidade didática, elaborar relatórios técnicos, participar das negociações de obras junto a estaleiros, participar da previsão orçamentária, analisar relatórios técnicos, providenciar reparos, estabelecer cronograma de trabalho, garantir a utilização de epis, demonstrar capacidade de observação, ter flexibilidade profissional, acompanhar serviços de docagem em estaleiros, gerenciar custos de operações e pedaços, participar do planejamento da logística de transporte, participar de decisão sobre velocidade do navio, adaptar-se às condições e ambiente de trabalho, manter navio disponível para aluguel, controlar aquisição de materiais e peças de reposição, agir com dinamismo, coordenar atuação das agências e representantes, acompanhar vistorias de navios, assegurar disciplina, fiscalizar a escrituração da documentação da seção de máquinas, demonstrar solidariedade, negociar condições de reparo e docagem com a empresa, simular exercícios de emergência de controle ambiental, dominar informática, auditar navio, expressar-se oralmente, acompanhar docagem de navios, auxiliar negociações sobre contratos de fretes, reportar problemas emergenciais a superiores, supervisionar velocidade contratual do navio, prestar suporte técnico de reparo de equipamentos, exercer liderança, gerenciar cumprimento de cláusulas contratuais, coordenar compra de combustível, realizar treinamento em extinção de fontes poluidoras, demonstrar criatividade, sugerir ações de controle ambiental, sugerir melhorias dos equipamentos junto ao fabricante e ao classificador, supervisionar tempo de bombeamento da carga, comunicar aos órgãos competentes agressões ao meio ambiente, avaliar custo de reparo, contatar prestadores de serviços, suportar privação familiar e social, tomar decisões, vistoriar quantidades de óleo combustível.

Cargos e salários CBO 2152-20 - Oficiais de máquinas da marinha mercante

Salário Superintendente Técnico no Transporte Aquaviario

Superintendente Técnico no Transporte Aquaviario: Brasil

  • 66
  • Brasil
  • 9.038 - 26.699
  • 42h
O profissional no cargo de Superintendente Técnico no Transporte Aquaviario CBO 2152-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 9.038 e 26.699 para uma jornada de trabalho média de 42h semanais de acordo com dados salariais de 66 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2152-20.
Salário Inspetor de Manutenção de Máquinas Aquaviárias

Inspetor de Manutenção de Máquinas Aquaviárias: Brasil

  • 66
  • Brasil
  • 9.038 - 26.699
  • 42h
O profissional no cargo de Inspetor de Manutenção de Máquinas Aquaviárias CBO 2152-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 9.038 e 26.699 para uma jornada de trabalho média de 42h semanais de acordo com dados salariais de 66 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2152-20.