Fim do Uber no Brasil? TRT de MG reconhece motorista como empregado

O TRT da 3ª Região com sua 11ª Turma de Minas Gerais através da Exma. Juíza Ana Maria Espi Cavalcanti, julgou procedente a ação trabalhista nº 0010806-62.2017.5.03.0011 de um motorista da empresa Uber para reconhecimento de vínculo empregatício trabalhista.

Reconhecimento de vínculo empregatício pela Uber no Brasil

A entrada no processo data de 2017 na qual o motorista solicita o reconhecimento de subordinação e pede  o valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais) a título de indenização por serviços prestados no período de 10/06/2016 a 02/02/2017, em danos morais e verbas rescisórias.

De acordo com o recurso ordinário, o autor foi contratado pela Uber em junho de 2016 para prestar serviços de motorista, transportando passageiros na
cidade de Belo Horizonte/MG. O contrato se encerrou em fevereiro de 2017 sem prévio aviso ao motorista.

Segundo a juíza

Trata-se de trabalho remunerado, na medida em que o autor recebia semanalmente pela produção, descontados a participação da UBER e os valores recebidos em moeda corrente dos usuários. E nem se diga que o autor “pagava” à UBER. O contrato de adesão firmado entre a UBER e o motorista deixa claro que a UBER define os valores a serem pagos pelos clientes e gerencia o pagamento ao motorista…

Não saber antecipadamente o destino configura vínculo empregatício segundo o processo

Destaco outro aspecto importante a denotar a subordinação: o motorista somente toma ciência do destino escolhido pelo usuário, quando o recebe em seu veículo e dá o comando de início da corrida.

Logo, repito, não há elementos para se considerar que o autor seja parceiro da UBER.

Segundo a Uber

Alegou que trata-se de empresa que explora plataforma tecnológica,
em parceria com motoristas independentes, intermediando o acesso de clientes ao transporte individual privado, sem atuar de forma direta no segmento de transportes, já que não fornece veículos aos motoristas. Sendo assim, negou a contratação do autor para a prestação de serviços, no período informado…

Você pode ler o acórdão completo clicando aqui.

O que acontece agora?

Pressupõe-se que após essa decisão do TRT3 de MG, a Uber entre com recurso no Tribunal Superior do Trabalho em Brasília, mas as chances de reversão são reduzidas:

Para o professor de Direito do Trabalho Ricardo Calcini, a decisão é histórica no tribunal mineiro. “A chance de reversão no Tribunal Superior do Trabalho é muito reduzida porque não se pode pedir revista para discutir questão de revisão de fatos e provas. A outra possibilidade é haver um reenquadramento com nova interpretação”, afirma. Conjur

Uber pode realmente acabar no Brasil?

Se de fato o vínculo empregatício e relação de subordinação for acolhido e referendado por tribunais superiores, gerará jurisprudência e um efeito em cascata o que fará com que todas as causas em andamento utilizem os dados desse processo em decisões de ações trabalhistas futuras ou em curso na Justiça do Trabalho não só da Uber como de outras empresas que prestam o mesmo tipo de serviço como o 99Táxis, Cabify, entre outras.

Na prática a Uber teria que registrar todos os motoristas e pagar verbas rescisórias do tempo de serviço prestado por cada um dos motoristas cadastrados no aplicativo. Isso com certeza faria com que a empresa deixasse de prestar serviços no Brasil, pois não há nenhuma possibilidade da empresa arcar com tamanho custo de operação.

Resta saber como ficariam os milhares de motoristas que dependem das corridas diárias para sua sobrevivência. Vários com carros financiados e hoje totalmente dependentes da renda das corridas por aplicativos.

Comente sobre Fim do Uber no Brasil? TRT de MG reconhece motorista como empregado

Regras para os comentários

  • Todos os comentários são moderados antes de publicados.
  • Respondemos todas as dúvidas no prazo máximo de 2 dias úteis.
  • Se postou uma pergunta, volte a essa página para ver a resposta. Não enviamos respostas por email devido ao problema com SPAM.

1 comentário em Fim do Uber no Brasil? TRT de MG reconhece motorista como empregado

  1. NO BRASIL TUDO QUE É BOM PARA OS HUMILDES OU POBRES COMO SÃO RECONHECIDOS PELA SOCIEDADE BRASILEIRA, ALGUÉM QUERENDO TIRAR PROVEITO DO DIREITO DO POBRE DE IR E VOLTAR DE PEQUENAS VIAGENS PAGANDO MENOS POR UM SERVIÇO QUE CUSTA CARO, COMO UMA CORRIDA DE TÁXI NORMAL. EXEMPLO EM PINHEIRO MARANHÃO À MAIS DE CINCO ANOS UMA CORRIDA DE TÁXI ORIGINADA DE PINHEIRO COM DESTINO FINAL PACAS CUSTA OU CUSTAVA R$ 30.00 (TRINTA REAIS ) POR UM PERCURSO DE ( 05 KM OU QUILÔMETROS RODADOS ) MÉDIA R$ 6,00 (SEIS REAIS ) POR KM RODADO, COM À UBER O VALOR DESSE MESMO PERCURSO CUSTARIA EM MÉDIA R$ 10,00 OU 12,00 ( DEZ OU DOZE REAIS ) RUAS ASFALTADAS. EM MONTE DOURADO PARÁ UMA CORRIDA DE TÁXI DE 18 KM OU QUILÔMETROS DE PERCURSO ESTRADAS DE CHÃO SÓ LAMA CHEIA DE BURACOS CONHECIDOS COMO POÇAS DE ÁGUA CUSTA EM MÉDIA R$ 40.00 ( QUARENTA REAIS ) MÉDIA DER$ 2,23 REAIS POR KM RODADOS.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário
Please enter your name here