CBO 7201-25 - Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais - Salário, Piso Salarial, Descrição do Cargo

CBO 7201-25 é o Código Brasileiro da Ocupação de supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais que pertence ao grupo dos supervisores da transformação de metais e de compósitos, segundo a tabela CBO divulgada pela Secretaria Especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (antigo MTE - Ministério do Trabalho).

Nesta página você pode ver as funções desempenhadas pelo cargo, descrição de atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, piso salarial médio, jornada de trabalho, faixa salarial, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário médio pago para os Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais CBO 7201-25 em todo Brasil ou categorizados por estados e cidades brasileiras.

Divisões de categorias profissionais do CBO 7201-25

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais.
    • Trabalhadores da transformação de metais e de compósitos.
      • Supervisores da transformação de metais e de compósitos.
        • Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais.

Descrição dos cargos da categoria Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais

Os Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais CBO 7201-25 coordenam, orientam e treinam equipes de trabalho de usinagem, conformação e tratamento de metais, nos métodos, processos produtivos e da qualidade. Organizam equipamentos utilizados nos processos de produção, estruturando arranjos físicos e células de trabalho. Monitoram processos de usinagem, conformação e tratamento dos metais. Garantem a programação da produção, dimensionando disponibilidade dos equipamentos e definindo pessoal em função do tipo, da especificação do serviço, das prioridades e da seqüência da produção. Gerenciam recursos materiais, monitoram procedimentos e normas do sistema de qualidade da empresa. Coordenam ações voltadas para o meio ambiente e segurança do trabalho e elaboram documentação técnica.

Condições de trabalho

Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais atuam nas indústrias de fabricação de máquinas, equipamentos e produtos de metal, metalurgia básica, fabricação de máquinas, aparelhos e materiais, fabricação e montagem de veículos automotores. São empregados com carteira assinada, trabalham supervisionando diretamente uma equipe de trabalhadores de chão- de-fábrica, sob supervisão ocasional de engenheiros, em ambiente fechado e em rodízio de turnos diurno/noturno. Eventualmente, trabalham em posições desconfortáveis durante longos períodos, sob pressão, levando a situação de estresse, e em grandes alturas, como é o caso do mestre de caldeiraria. Podem ser expostos a materiais tóxicos, ruído intenso e, particularmente, no caso do mestre de fundição, a radiação e altas temperaturas.

Exigências do mercado de trabalho

Para o exercício dessas ocupações requer-se o curso de formação profissional com equivalência ao ensino médio completo oferecido por instituições de formação profissional ou escolas técnicas. O pleno desempenho das atividades ocorre, em média, com cinco anos de prática profissional.

Funções dos Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais CBO 7201-25

Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais devem:

  • gerenciar recursos materiais;
  • liderar equipe de trabalho;
  • monitorar os processos de usinagem, conformação e tratamento dos metais;
  • garantir a programação da produção;
  • trabalhar com segurança;
  • coordenar as atividades técnicas da equipe de produção;
  • demonstrar competências pessoais;
  • organizar equipamentos utilizados nos processos de produção;
  • administrar a equipe de trabalho;
  • monitorar procedimentos e normas do sistema de qualidade da empresa;
  • documentar a produção;
  • Atividades dos cargos CBO 7201-25

    Entre as principais atribuições dos Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais CBO 7201-25 estão as de:

    • atender cliente interno e externo;
    • otimizar o processo produtivo, administrando os gargalos;
    • fornecer informações para credenciamento de fornecedores;
    • interpretar parâmetros de produção;
    • eliminar as causas de não-conformidades;
    • treinar equipe de trabalho;
    • buscar alternativas no setor para a execução do trabalho;
    • delegar atividades e responsabilidades;
    • tratar com sigilo as informações internas da empresa;
    • controlar estatisticamente o processo (cep);
    • prever execução de tratamentos superficiais;
    • administrar o consumo e estoque de matéria-prima;
    • manter a disciplina;
    • prestar informações técnicas no desenvolvimento de novos produtos e processos;
    • manter os equipamentos em condições operacionais seguras;
    • orientar a equipe para a realização das atividades profissionais com segurança;
    • isolar locais que apresentem condições inseguras;
    • manter equilíbrio emocional;
    • cumprir legislação e normas de preservação ambiental;
    • implementar novas tecnologias do processo produtivo;
    • entrevistar candidatos no processo de seleção de pessoal;
    • estimular o comprometimento da equipe com as metas da empresa;
    • planejar a disponibilidade dos equipamentos em função do fluxo de produção;
    • administrar conflitos;
    • comunicar-se de forma oral e escrita;
    • controlar prazos de entrega do produto;
    • avaliar as condições de funcionamento dos equipamentos;
    • definir pessoal em função do tipo e especificação do serviço;
    • avaliar desempenho da equipe;
    • monitorar a limpeza, conservação e manutenção dos equipamentos;
    • participar na elaboração de procedimentos e instruções de trabalho;
    • preencher formulários de requisição de materiais e equipamentos;
    • estruturar o arranjo físico do setor;
    • prever recursos humanos em função da carga de trabalho;
    • dimensionar a disponibilidade dos equipamentos;
    • cumprir as ações acordadas nas reuniões da cipa;
    • disponibilizar ferramentas e dispositivos;
    • propor melhorias de qualidade;
    • controlar o consumo de insumos;
    • sensibilizar a equipe frente às mudanças organizacionais da empresa;
    • exigir o uso dos equipamentos de proteção individual e coletiva (epi e epc);
    • implementar medidas corretivas;
    • identificar necessidades de treinamento;
    • orientar os funcionários nos aspectos legais e sociais;
    • controlar a conformidade dos parâmetros de produção especificados;
    • agir com coerência de ações;
    • organizar os registros de controle da qualidade;
    • classificar resíduos para processos de reciclagem e descarte;
    • monitorar exigências de qualificações dos funcionários;
    • tomar decisões;
    • acompanhar o processo produtivo;
    • agir de forma exemplar;
    • visualizar de forma sistêmica os processos da empresa;
    • administrar os pontos críticos do processo produtivo;
    • elaborar programa de manutenção de equipamentos;
    • redefinir parâmetros utilizados no processo produtivo;
    • elaborar relatórios;
    • solicitar contratação de prestadores de serviços de ensaios;
    • identificar as características pessoais dos membros da equipe;
    • providenciar a compra de materiais fora de estoque;
    • avaliar a eficácia dos serviços de manutenção;
    • cumprir a legislação e normas pertinentes;
    • controlar o desperdício de materiais na produção;
    • inspecionar a calibração dos equipamentos de ensaio;
    • assumir o papel de interlocutor entre a gerência e a produção;
    • prever a execução de ensaios físicos e mecânicos;
    • manter postura e ética profissional;
    • administrar a qualificação profissional da equipe de trabalho;
    • atuar com flexibilidade;
    • registrar relatórios de não-conformidade;
    • orientar a equipe nos métodos, processos produtivos e qualidade de conformação de metais;
    • identificar o potencial dos componentes da equipe;
    • propor melhorias no processo produtivo;
    • controlar a validade de calibração de equipamentos;
    • definir prioridades e sequência da produção;
    • participar na elaboração das fichas de especificação técnica dos produtos;
    • liderar com autoridade profissional;
    • controlar a qualidade do processo produtivo;
    • realizar análise de causas de não-conformidades;
    • coordenar reuniões;
    • solicitar apoio da área de segurança industrial para avaliação de condições inseguras;
    • participar de auditorias internas e externas;
    • exigir o uso de ferramentas adequadas ao tipo de serviço;
    • estruturar células de trabalho;
    • considerar as opiniões da equipe;
    • determinar o local adequado para a execução do processo de fabricação de equipamentos e produtos;
    • orientar a equipe sobre organização, saúde e segurança na empresa;
    • elaborar a programação de férias;
    • remanejar pessoal da equipe em função das condições físicas;
    • buscar o autodesenvolvimento;
    • atualizar documentação técnica;
    • orientar sobre o armazenamento, manuseio e transporte de materiais;
    • identificar áreas de risco;
    • inteirar-se do processo produtivo;
    • avaliar a eficácia de ações preventivas relativas a não-conformidades;
    • implementar ações corretivas e preventivas de não conformidades;
    • manter a equipe informada sobre as metas da empresa;
    • realizar autocrítica;
    • desenvolver parceria com fornecedores qualificados;
    • orientar os funcionários sobre a responsabilidade pela qualidade;
    • atender às especificações técnicas dos produtos;
    • aplicar ferramentas de gestão da qualidade;
    • fornecer informações no desenvolvimento de novas matérias-primas, ferramentas e dispositivos;

    Cargos e salários CBO 7201-25 - Supervisores de usinagem, conformação e tratamento de metais

    Salário Mestre de Produção de Fundição de Alumínio

    Mestre de Produção de Fundição de Alumínio: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Produção de Fundição de Alumínio CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Encarregado de Seção de Fundição

    Encarregado de Seção de Fundição: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Encarregado de Seção de Fundição CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Seção de Fundição

    Mestre de Seção de Fundição: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Seção de Fundição CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Encarregado de Vazamento de Fundição de Ferro

    Encarregado de Vazamento de Fundição de Ferro: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Encarregado de Vazamento de Fundição de Ferro CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre Fundidor a Pressão

    Mestre Fundidor a Pressão: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre Fundidor a Pressão CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Encarregado Geral de Fundição

    Encarregado Geral de Fundição: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Encarregado Geral de Fundição CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Forno Fundição

    Mestre de Forno Fundição: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Forno Fundição CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Fundição de Alumínio

    Mestre de Fundição de Alumínio: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Fundição de Alumínio CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Fundição de Materiais

    Mestre de Fundição de Materiais: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Fundição de Materiais CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Lingotamento

    Mestre de Lingotamento: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Lingotamento CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Lingoteiras

    Mestre de Lingoteiras: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Lingoteiras CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Macharia

    Mestre de Macharia: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Macharia CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Fundição

    Mestre de Fundição: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Fundição CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Mestre de Molde Manual

    Mestre de Molde Manual: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Mestre de Molde Manual CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.
    Salário Chefe de Setor de Fundição de Metais

    Chefe de Setor de Fundição de Metais: Brasil

    • 559
    • Brasil
    • 3.555 - 8.566
    • 44h
    O profissional no cargo de Chefe de Setor de Fundição de Metais CBO 7201-25 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.555 e 8.566 para uma jornada de trabalho média de 44h semanais de acordo com dados salariais de 559 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 7201-25.