Pesquisa Salarial – Raio X de cargos e salários do mercado de trabalho brasileiro

No mais completo e atualizado estudo de cargos e salários de profissionais admitidos pelo mercado de trabalho publicado no Brasil o Salario.com.br traz uma ampla pesquisa salarial com dados e indicadores oficiais do mercado de trabalho brasileiro.

Um estudo recente que faz um verdadeiro raio x tanto de cargos e salários, quanto do perfil do trabalhador brasileiro e das demandas das empresas em todos os setores da economia.

 

Comente sobre Pesquisa Salarial – Raio X de cargos e salários do mercado de trabalho brasileiro

Regras para os comentários

  • Todos os comentários são moderados antes de publicados.
  • Comentário todo em letra maiúscula não será aprovado.
  • Respondemos todas as dúvidas no prazo máximo de 2 dias úteis.
  • Se postou uma pergunta, volte a essa página para ver a resposta. Não enviamos respostas por email devido ao problema com SPAM.
  • Clique aqui para ir para o formulário

9 comentários em Pesquisa Salarial – Raio X de cargos e salários do mercado de trabalho brasileiro

  1. Sandra

    Olá, super importante sim ter a pesquisa salarial. Porém de fato, uma pesquisa a se fazer com dados exatos seria se realmente as médias salariais estão relacionadas com o fator psicológico / emocionais dos trabalhadores. Visto que existem uma demanda muito grande que tem salários elevados e não tem equilíbrio psicológico.

    • Redação

      Oi Sandra, infelizmente o CAGED não tem essas informações, aliás para se fazer uma pesquisa desse tipo somente se fosse presencial.

    • Manoel Galdino

      Sálarios elevados trabalhadores? Isso não existe,trabalhador nunca ganha o que merece, a não ser ,que seja,em alguns orgãos públicos exemplo Receita Federal,etc. Porque acha alto? A resposta
      é simples, na terra, de cego ,quem um olho , é REI. Um Contador,ou Análista contábil bom,deveria
      ganhar muito mais que isso, é por isso, que larguei dos empregos,pois quem é controlado os salários,pelos Patrões,ou Governos,sempre analisa a situação dos salários ,um pior que outro,na realidade,em vez de Maomé ir até a Montanha, a Montanha vai até Maomé, o melhor salário,é
      aquele que a gente faz,sem depender dos outros,é difícil,mas é muito mais gratificantes,mesmo
      se ganhar menos,pelo menos não enche muito,muito,a barriga dos patrões,eu nunca ganhei bem, mas esses salários anunciados,para mim,não me tráz de nenhum incentivo, de querer,pelo
      menos,quando não ganho o dobro,também redução de horas trabalhadas,é reduzidas,por enquanto não quero essas vantagens para mim,por enquanto,para não ser orgulhoso

  2. Eder Paschoal Pinto

    Parabéns pelo empenho dedicado à radiografia do corpo salarial vigente na Pátria Amada Brasil!!!
    Peço vossa permissão para provoca-los a agregar valor aos futuros levantamentos, ou seja, inserir questões sobre:
    1. Gastos com salários indiretos, por exemplo, plano de saúde;
    2. Relações entre gastos com a força de trabalho e com outros gastos, idem e faturamento, idem e lucro etc.;
    3. Causas das decisões tomadas pelas empresas informantes, como: a) acréscimos e decréscimos na quantidade de empregados, b) discriminações de gênero, raça, estado civil, idade e afins.
    Tenho consciência da preocupação que se causaria nos responsáveis por fornecimento de informações como essas, mas elas são essenciais para a criação e gestão de políticas públicas, bem como para provocar o universo empresarial a pensar um pouco mais antes de tomar decisões – incluo as organizações públicas nesse contexto. Por exemplo, a Capes investiu uma quantia significativa em meu estágio pós-doutoral realizado na Austrália. Seis anos depois eu me desempreguei e há cinco estou batendo em portas de instituições do ensino superior e não consigo recolocar-me ou sequer prestar serviços temporários de consultoria.
    Destarte, saber os porquês de recusas como essa, muito ajudaria a Capes a pensar e repensar a concessão de bolsas. Em termos pessoal, eu fico questionando coisas, como: Será que o desemprego amedronta gestores de IES, ou seja, recusam candidatos mais bem preparados que eles? Será que por trás das recusas há discriminação de idade?
    Reitero, respostas a questões como essas ajudariam a se construir política mais eficazes.

    • Redação

      Oi Eder, você está certo. Esses dados do mercado de trabalho são utilizados exatamente para isso, melhorar políticas públicas. Tanto que nossos dados já vem sendo amplamente utilizados em vários estudos de mercado de trabalho em universidades pelo Brasil.

      Com relação as suas perguntas:
      1 e 2- o CAGED não informa benefícios e tão pouco gastos efetivos com contratações pelas empresas infelizmente;
      3 – Aqui no portal listamos quase 10 mil cargos, todos eles em suas páginas tem informações de salário por faixa etária, escolaridade e gênero com gráficos e informações bem completas. Utilize a busca do site para encontrar informações sobre qualquer cargo.

  3. Marcelo

    Boa tarde!
    Gostaria de saber quanto ganha um motorista de aplicativos no Rio de Janeiro, trabalhando 10 hs/dia em média, já com os custos do serviço, manutenção do veículo, prestação etc… e os 30% do aplicativo que é todo do motorista?
    Bruto;
    Líquido;

  4. Marco Antonio de Souza Costa

    Parabéns pelas informações. Seria importante, se possível, apresentar informações sobre a jornada de trabalho, em horas, relacionada ao valor dos salários apresentados. Ao consultar as informações salariais sobre médicos, por exemplo, não fica claro se a jornada cumprida é de 20, 30, 40 ou 44 horas semanais. Vale o mesmo para os demais cargos com diferentes jornadas possíveis.

    • Redação Salario.com.br

      Oi Marco, excelente dica! Muito obrigado e vamos ver a viabilidade para implementar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui