CBO 2511-10 - Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica - Salário, Piso Salarial, Descrição do Cargo

CBO 2511-10 é o Código Brasileiro da Ocupação de profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica que pertence ao grupo dos cientistas sociais, psicólogos, segundo a tabela CBO divulgada pela Secretaria Especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (antigo MTE - Ministério do Trabalho).

Nesta página você pode ver as funções desempenhadas pelo cargo, descrição de atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, piso salarial médio, jornada de trabalho, faixa salarial, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário médio pago para os Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica CBO 2511-10 em todo Brasil ou categorizados por estados e cidades brasileiras.

Divisões de categorias profissionais do CBO 2511-10

  • Profissionais das ciências e das artes.
    • Profissionais das ciências sociais e humanas.
      • Cientistas sociais, psicólogos.
        • Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica.

Descrição dos cargos da categoria Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica

Os Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica CBO 2511-10 realizam estudos e pesquisas sociais, econômicas e políticas, participam da gestão territorial e sócio-ambiental, estudam o patrimônio arqueológico, gerem patrimônio histórico e cultural. Realizam pesquisa de mercado. Participam da elaboração, implementação e avaliação de políticas e programas públicos, organizam informações sociais, culturais e políticas. Elaboram documentos técnico-científicos.

Condições de trabalho

Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica trabalham, predominantemente, em órgãos da administração pública e em organismos e departamentos de pesquisas da esfera pública e privada, como estatutários ou assalariados com carteira assinada. Trabalham de forma individual ou em equipe interdisciplinar, sem supervisão, em ambientes fechados ou a ceu aberto, em horário diurno. Em algumas atividades podem estar sujeitos ao trabalho sob pressão que pode ocasionar estresse.

Exigências do mercado de trabalho

O exercício dessas ocupações requer curso superior completo na área de atuação.

Funções dos Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica CBO 2511-10

Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica devem:

  • elaborar documentos técnico-científicos;
  • avaliar políticas e programas públicos;
  • organizar informações sociais, culturais e políticas;
  • participar da gestão territorial e socioambiental;
  • demonstrar competências pessoais;
  • realizar estudos e pesquisas sociais, econômicas e políticas;
  • estudar o patrimônio arqueológico;
  • gerir patrimônio histórico e cultural;
  • participar da elaboração e implementação de políticas e programas públicos;
  • Atividades dos cargos CBO 2511-10

    Entre as principais atribuições dos Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica CBO 2511-10 estão as de:

    • fornecer subsídios para programas de zoneamento ecológico-econômico cultural;
    • inventariar patrimônio cultural;
    • organizar uso e acesso a bens culturais;
    • demonstrar sensibilidade na compreensão de valores e motivações;
    • definir cronograma de implementação;
    • classificar dados coletados;
    • estabelecer objetos e metas;
    • disseminar informações sobre o patrimônio;
    • caracterizar o meio antrópico;
    • investigar atitudes, valores e motivações de grupos sociais;
    • investigar sociedades através de vestígios materiais;
    • avaliar projetos de pesquisa relativo ao patrimônio cultural;
    • identificar vulnerabilidades dos programas;
    • demonstrar capacidade de observação, descrição e registro;
    • analisar processos de mudança político-social;
    • identificar as informações existentes;
    • elaborar plano de ações;
    • integrar população local na pesquisa arqueológica;
    • demonstrar rigor científico;
    • estabelecer métodos de avaliação;
    • monitorar andamento de projetos arqueológicos;
    • subsidiar a formulação de leis de preservação;
    • elaborar instrumentos de coleta de dados;
    • analisar resultados e impactos das políticas;
    • subsidiar planos de manejo;
    • elaborar laudos e perícia;
    • sistematizar dados primários e secundários;
    • divulgar resultados da pesquisa;
    • identificar demandas coletivas;
    • apontar ações corretivas;
    • demonstrar capacidade de síntese;
    • capacitar equipes de pesquisa;
    • levantar fontes de informação;
    • capacidade de formulação teórica;
    • trabalhar em equipe;
    • promover a participação das comunidades;
    • capacitar agentes e multiplicadores;
    • elaborar matérias temáticas para meios de comunicação;
    • demonstrar capacidade analítica;
    • estruturar sistemas de informações;
    • participar da implementação de projetos com populações tradicionais;
    • elaborar relatórios de avaliação;
    • estudar processos de formulação e implementação de políticas públicas;
    • estudar organizações sociais;
    • realizar ações para preservação e valorização do patrimônio arqueológico;
    • estudar identidade de grupos sociais;
    • participar da elaboração de diretrizes de preservação do patrimônio cultural;
    • elaborar diretrizes;
    • executar pesquisas de campo;
    • elaborar artigos científicos;
    • disponibilizar informações e dados;
    • etnografar manifestações culturais materiais e imateriais;
    • realizar educação para a preservação do patrimônio histórico e cultural;
    • mediar conflitos;
    • realizar análise periciais;
    • acompanhar implementação de políticas públicas;
    • realizar pesquisa comportamental;
    • elaborar relatórios técnicos;
    • levantar informações documentais e orais;
    • definir indicadores de avaliação;
    • promover a participação da comunidade para preservação do patrimônio histórico e cultural;
    • pesquisar segmentos sociais (jovens, mulheres, segmentos sociais específicos);
    • monitorar programas públicos;
    • identificar atores envolvidos nos programas públicos;
    • montar processos de regularização fundiária de terras de populações tradicionais;
    • definir metodologias de pesquisa;
    • definir estratégias de implementação dos programas;
    • realizar atividades de laboratório nos vestígios recuperados (cura, análise, restos e registros);
    • levantar o patrimônio arqueológico a ser pesquisado;
    • trabalhar em situações adversas;

    Cargos e salários CBO 2511-10 - Profissionais em pesquisa e análise antropológica sociológica

    Salário Arqueólogo

    Arqueólogo: Brasil

    • 299
    • Brasil
    • 3.172 - 7.136
    • 43h
    O profissional no cargo de Arqueólogo CBO 2511-10 trabalhando no Brasil, ganha entre 3.172 e 7.136 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 299 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2511-10.