CBO 2239-10 - Terapeutas ocupacionais e ortoptistas - Salário, Piso Salarial, Descrição do Cargo

CBO 2239-10 é o Código Brasileiro da Ocupação de terapeutas ocupacionais e ortoptistas que pertence ao grupo dos profissionais da medicina, saúde, segundo a tabela CBO divulgada pela Secretaria Especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (antigo MTE - Ministério do Trabalho).

Nesta página você pode ver as funções desempenhadas pelo cargo, descrição de atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, piso salarial médio, jornada de trabalho, faixa salarial, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário médio pago para os Terapeutas ocupacionais e ortoptistas CBO 2239-10 em todo Brasil ou categorizados por estados e cidades brasileiras.

Divisões de categorias profissionais do CBO 2239-10

  • Profissionais das ciências e das artes.
    • Profissionais das ciências biológicas, da saúde.
      • Profissionais da medicina, saúde.
        • Terapeutas ocupacionais e ortoptistas.

Descrição dos cargos da categoria Terapeutas ocupacionais e ortoptistas

Os Terapeutas ocupacionais e ortoptistas CBO 2239-10 realiza intervenções e tratamento de pacientes e clientes utilizando procedimentos específicos de terapia ocupacional e ortóptica. Avaliam funções e atividades, analisam condições dos pacientes e clientes, Realizam diagnósticos. Atuam na orientação de pacientes, clientes, familiares, cuidadores e responsáveis. Desenvolvem, ainda, programas de prevenção, promoção de saúde e qualidade de vida.

Condições de trabalho

Terapeutas ocupacionais e ortoptistas trabalham nas áreas de saúde, educação e serviços sociais, predominantemente em caráter liberal, no caso dos ortoptistas, e com vínculo empregatício, no caso dos terapeutas ocupacionais, na maior parte do tempo, em equipes multiprofissionais. Atuam em consultórios, hospitais, ambulatórios, clínicas, escolas, domicílios, clubes, comunidades, escolas, indústrias, dentre outros, em horários

Exigências do mercado de trabalho

Para o exercício dessas ocupações é exigido curso superior em uma das áreas: terapia ocupacional ou ortóptica, com registros nos conselhos profissionais pertinentes.

Funções dos Terapeutas ocupacionais e ortoptistas CBO 2239-10

Terapeutas ocupacionais e ortoptistas devem:

  • avaliar funções e atividades;
  • realizar intervenções/tratamento;
  • executar atividades técnico-científicas e administrativas;
  • orientar pacientes, clientes, familiares, cuidadores e responsáveis;
  • realizar diagnósticos;
  • demonstrar competências pessoais;
  • comunicar-se;
  • analisar condições dos pacientes, clientes, ambientes e comunidades;
  • Atividades dos cargos CBO 2239-10

    Entre as principais atribuições dos Terapeutas ocupacionais e ortoptistas CBO 2239-10 estão as de:

    • orientar técnicas ergonômicas;
    • lidar com enlutamento;
    • demonstrar acuidade visual e estereoscópica;
    • elaborar laudos e pareceres;
    • efetuar testes ortópticos e exames oftalmológicos complementares;
    • realizar perícia;
    • estabelecer plano terapêutico ortóptico;
    • demonstrar dinamismo;
    • acompanhar evolução terapêutica;
    • quantificar visão binocular;
    • participar de diagnósticos interdisciplinares diferenciais;
    • preparar ambiente terapêutico;
    • avaliar condições dolorosas;
    • estimular desenvolvimento neuro-sensorio-motor e percepto-cognitivo;
    • estimular percepção espacial e visão binocular;
    • dar devolutiva da avaliação e conduta terapêutica;
    • analisar resultados das avaliações;
    • ensinar técnicas para uso funcional da visão;
    • registrar procedimentos e evolução de clientes e pacientes;
    • estimular percepção visual precoce;
    • promover campanhas educativas;
    • avaliar captor ocular;
    • capacitar profissionais;
    • criar métodos de trabalho;
    • eleger procedimentos de intervenções/tratamento;
    • ministrar cursos e palestras;
    • avaliar sistema e percepção sensorial-motor-ocular;
    • avaliar desvios oculares;
    • estabelecer metodologia de trabalho;
    • divulgar trabalhos;
    • realizar medidas pré-cirúrgicas dos desvios oculares;
    • avaliar funções sensório-motoras e percepto-cognitivas;
    • interagir com outros profissionais;
    • avaliar campo visual;
    • treinar auxílios de visão subnormal (lupa, telelupa, óculos esferoprismático, etc);
    • estabelecer critérios de elegibilidade;
    • prescrever exercícios ortópticos;
    • efetuar anamnese;
    • reeducar postura;
    • estimular percepção espacial e viso-motora;
    • mediar reuniões;
    • operar instrumentos e equipamentos de trabalho;
    • elaborar trabalhos científicos;
    • avaliar sensibilidade visual ao contraste;
    • avaliar habilidades e padrões motores;
    • participar de programas de prevenção, promoção de saúde/qualidade vida;
    • encaminhar cliente a profissionais e entidades;
    • analisar condições socioeconômicas, etno-culturais e educacionais;
    • estabelecer capacidade de atendimento;
    • analisar exames complementares;
    • elaborar protocolo de avaliação de tratamento;
    • realizar procedimentos de habilitação e de reabilitação;
    • estabelecer parâmetros de alta;
    • administrar recursos humanos, materiais e financeiros;
    • demonstrar capacidade de comunicação não verbal;
    • demonstrar objetividade;
    • treinar paciente na utilização de órteses, próteses, adaptações e produtos assistivos;
    • avaliar ambientes físicos;
    • demonstrar liderança;
    • avaliar acuidade visual;
    • auditorar programas e serviços;
    • demonstrar capacidade de análise e síntese;
    • elaborar manuais técnico-administrativos e projetos;
    • elaborar relatórios;
    • explicar procedimentos e rotinas;
    • avaliar funcionalidade da visão residual;
    • transmitir segurança;
    • orientar terapia oclusiva;
    • avaliar acuidade de leitura;
    • lidar com estresse;
    • avaliar condições para o desempenho ocupacional(trabalho, laser, brincar, escola e ócio);
    • demonstrar empatia;
    • coordenar serviços de saúde e educação;
    • demonstrar acuidade auditiva;
    • supervisionar profissionais, estagiários e equipes de apoio;
    • demonstrar criatividade;
    • adaptar órteses;
    • demonstrar capacidade de escuta e interlocução;
    • contornar situações adversas;
    • demonstrar iniciativa;
    • demonstrar procedimentos e técnicas;
    • avaliar desenvolvimento neuropsicomotor;
    • aplicar testes e protocolos;
    • transmitir instruções à equipe multidisciplinar;
    • lidar com público;
    • aplicar exercícios ortópticos;
    • analisar critérios de elegibilidade;
    • sugerir exames complementares;
    • prescrever atividades;
    • realizar consultoria e assessoria;
    • analisar avaliações de profissionais;
    • avaliar amplitude dos movimentos oculares;
    • demonstrar capacidade de observação;
    • verificar compreensão da orientação;
    • tomar decisões;
    • trabalhar em equipe;
    • visitar domicílios, escolas, postos de trabalho, instituições e comunidades;
    • adaptar atividades;
    • avaliar coordenação óculo manual e pedal;
    • organizar eventos técnico-científicos;
    • avaliar percepção visuo-espacial;
    • analisar laudos e pareceres;
    • demonstrar perseverança;
    • estimular adesão e continuidade do tratamento;
    • implementar ações para prevenção e promoção da saúde;
    • realizar pesquisas;
    • instrumentar cirurgia oftálmica;
    • esclarecer dúvidas;
    • demonstrar capacidade motora fina;
    • avaliar funções óculo-motoras;
    • elaborar processo de alta;

    Cargos e salários CBO 2239-10 - Terapeutas ocupacionais e ortoptistas

    Salário Ortoptis

    Ortoptis: Brasil

    • 15
    • Brasil
    • 2.182 - 5.046
    • 35h
    O profissional no cargo de Ortoptis CBO 2239-10 trabalhando no Brasil, ganha entre 2.182 e 5.046 para uma jornada de trabalho média de 35h semanais de acordo com dados salariais de 15 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2239-10.