CBO 6134-20 - Sericultor - Descrição do cargo, funções, competências e atividades exercidas pelos produtores de animais e insetos úteis

O profissional no cargo de Sericultor CBO 6134-20 coordena, administra e orienta a criação de bicho-da-seda, supervisionando plantio de amoreiras, monitorando manejo reprodutivo dos bichos-da-seda, controlando alimentação de lagartas com ramas de amoreiras, monitorando tecimento de casulos pelas lagartas, e supervisionando coleta, triagem e classificação dos casulos Pode receber lagartas com fases iniciais de criação realizadas pela indústria, para assumir as fases seguintes.

Pode trabalhar apenas com criação das matrizes para reprodução Comercializa casulos e matrizes Planeja atividades de criação de bichos-da-seda.

Administra propriedade rural Supervisiona equipes de trabalho, distribuindo tarefas, avaliando desempenho e desenvolvendo treinamentos Cumpre legislação, normas técnicas, normas de biossegurança e vigilância sanitária e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho e de preservação ambiental.

CBO 6134-20 é o Código Brasileiro da Ocupação de produtores de animais e insetos úteis que pertence ao grupo dos produtores na exploração agropecuária, segundo o Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Confira funções, descrição do cargo de Sericultor, atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário pago para os Produtores de animais e insetos úteis CBO 6134-20 em todo Brasil.

Divisões de categorias profissionais do CBO 6134-20

  • Trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca.
    • Produtores de animais e insetos úteis.
      • Produtores na exploração agropecuária.

O que faz um Sericultor

O Sericultor CBO 6134-20 planeja atividades de criação de bicho-da-seda, em projetos de sericicultura Seleciona materiais, equipamentos e implementos para cultivo de amoreiras e criação dos bichos-da-seda, e define os locais - de cultivo e criação - distantes de áreas onde são usados agrotóxicos.

Utiliza programas informatizados para planejamento e controle da criação.

Estabelece metas e estima custos Coordena o plantio de amoreiras - principalmente da espécie amoreira branca -, que fornecem as folhas para alimentação do bicho-da-seda.

Orienta o preparo do solo e o plantio das mudas, usando adubo orgânico, que promove aumento na produção de folhas Supervisiona os tratos culturais.

Monitora o manejo reprodutivo do bicho-da-seda, inclusive com matrizes geneticamente melhoradas.

Acompanha acasalamentos e, em seguida, distribui as fêmeas em bandejas, sobre telas de algodão cru, para realizarem as posturas Coleta amostra dos ovos de cada bandeja, para análise em microscópio, e elimina todos os ovos da bandeja em que foi detectada alguma doença.

Orienta a colocação dos ovos saudáveis em incubadora, para facilitar a eclosão simultânea das lagartas.

Pode receber as lagartas da indústria de fiação da seda, que realiza as primeiras fases de criação do bicho-da-seda Monitora a transferência das lagartas da incubadora para esteiras, conhecidas como “camas de criação” Controla a alimentação das lagartas, realizada com as ramas de amoreiras recolhidas todos os dias.

Acompanha a colocação das folhas sobre as lagartas, nas camas de criação Controla o desenvolvimento das lagartas, enquanto se alimentam das folhas Orienta a observação diária das lagartas, para a constatação de doenças – causadas normalmente por vírus, fungos, bactérias e protozoários – ou ataque de insetos – como formigas, abelhas e moscas do bicho-da-seda – e outros animais, tais como ratos e cobras.

Controla e combate as pragas Retira, da cama de criação, as lagartas doentes e aplica produtos desinfetantes sobre as restantes.

Acompanha o momento em que as lagartas se tornam maduras, deixando de se alimentar Coordena, então, o remanejamento das lagartas para os chamados “bosques”, estruturas com divisórias, em que cada lagarta vai formar seu casulo em um espaço próprio Observa as estruturas de criação, controlando a ambiência (luminosidade, umidade e temperatura).

Supervisiona a coleta dos casulos - manualmente ou com garfos apropriados - e sua colocação em máquina peladeira, para limpeza Controla a qualidade dos casulos, orientando processo de triagem Monitora pesagem, classificação, acondicionamento e transporte dos casulos, conforme normas técnicas e normas de sanidade.

Pode trabalhar apenas com criação das matrizes – em especial as geneticamente melhoradas -, para reprodução Acompanha o tecimento dos casulos, dentro dos quais ocorre a transformação da lagarta em crisálida, adquirindo asas e aparelho reprodutor Faz a sexagem das crisálidas.

Comercializa casulos - matéria-prima para produção de tecidos de seda - ou matrizes, usadas para iniciar processo de criação Mantém-se atualizado, acompanhando as novas tecnologias em sericicultura Administra propriedade rural, controlando estoques de insumos, programando logística de transporte de insumos e produtos, e gerenciando recursos financeiros Coordena a montagem da infraestrutura para a sericicultura Seleciona equipamentos.

Monitora limpeza, higienização e desinfecção das áreas construídas e dos equipamentos Providencia serviços de reparação de equipamentos Supervisiona atividades das equipes de trabalho, distribuindo tarefas e avaliando o desempenho dos trabalhadores Proporciona programas de treinamento às equipes Promove práticas – como proteção de nascentes da propriedade - para mitigação de danos ambientais Zela pela segurança no trabalho, prevenindo acidentes e monitorando o uso, pela equipe, de equipamentos de proteção individual e de vestimenta adequada.

Funções do cargo

O funcionário CBO 6134-20 deve produzir alimentos para animais e insetos Úteis, comercializar produção, controlar pragas e doenças, efetuar colheita de derivados de animais e insetos Úteis, administrar produção, demonstrar competências pessoais, manejar criação de animais e insetos Úteis, montar instalações.

Condições de trabalho dessas profissões

Produtores de animais e insetos úteis trabalham por conta própria e geralmente utilizam mão-de-obra familiar. Nos picos sazonais de coleta, podem contratar mão-de-obra temporária, que trabalha sob sua supervisão. Os criadores de insetos e animais produtores de veneno executam tarefas predominantemente administrativas e da gerência do negócio. A maioria dos criatórios são estatais e se concentra em institutos de pesquisa e produtores de soro. Neste caso, o plantel é predominantemente mantido por doações e reprodução. No caso de criatórios privados, o plantel é mantido exclusivamente por meio de reprodução, existindo uma preocupação comercial com o tempo de vida dos animais. Podem trabalhar tanto a céu aberto quanto em locais fechados, durante o dia. No exercício de algumas atividades, os minhocultores podem permanecer em posições desconfortáveis por longos perídos, ao passo que os apicultores estão sujeitos à exposição de fumaça.

Exigências do mercado de trabalho para o CBO 6134-20

A escolaridade é hetorogênea, variando de nenhuma escolaridade para os sericultores a ensino fundamental para os apicultores e minhocultores. O conhecimento e as habilidades para a execução do trabalho são adquiridos no ambiente familiar, de geração para geração. Para os produtores de veneno, é exigido o ensino médio completo. Os apicultores levam de quatro a cinco anos para o pleno desempenho da profissão. Há ainda oferta de cursos livres, oferecidos por associações de criadores, institutos de pesquisa e instituições de formação profissional.

Atividades exercidas por um Sericultor CBO 6134-20

Um Sericultor (ou sinônimo) deve dar provas de criatividade, transportar materiais, insumos e produtos, demonstrar atenção difusa, construir depósitos de amoreiras, controlar umidade, trabalhar em equipe, controlar alimentação, controlar ventilação, ensacar casulos do bicho-da-seda, desinfetar instalações, dimensionar instalações, preparar alimentação artificial para animais e insetos úteis, desinfetar corpo da lagarta, contratar mão-de-obra segundo necessidades da produção, planejar produção, limpar cama de criação do bicho-da-seda, dimensionar tamanho da criação, construir depósitos de materiais e equipamentos, equipar instalações, planejar podas de inverno das amoreiras, limpar casulos, distribuir lagartas de acordo com espaço, desinfetar equipamentos, controlar receitas e despesas, aplicar cal hidratada na cama de criação do bicho-da-seda, realizar tratos culturais, controlar temperatura, plantar amoreira, armazenar ramas de amoreira, limpar instalações, interagir com o meio ambiente, verificar maturação do casulo do bicho-da-seda, planejar pedidos de lagartas, retirar casulos do bosque, selecionar variedade de amoreira, entregar casulos do bicho-da-seda na integradora, definir finalidade da produção, separar lagartas, pesquisar mercado, colher ramas de amoreira, construir barracão do bicho-da-seda, delegar funções, pré-classificar casulos, fornecer equipamentos de segurança para manejo de animais e insetos úteis, interagir com a comunidade, pesar produção, liderar, controlar luminosidade, dedicar-se, embalar produtos segundo destino.

Cargos e salários CBO 6134-20 - Produtores de animais e insetos úteis

Salário Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador

Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.
Salário Rancheiro

Rancheiro: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Rancheiro CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.
Salário Sericultor - Conta Própria

Sericultor - Conta Própria: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Sericultor - Conta Própria CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.
Salário Sócio - Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador

Sócio - Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Sócio - Proprietário - na Criação de Bicho-da-seda - Empregador CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.
Salário Sericultor

Sericultor: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Sericultor CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.
Salário Criador de Bicho-da-seda - Empregador

Criador de Bicho-da-seda - Empregador: Brasil

  • 6
  • Brasil
  • 1.579 - 2.356
  • 43h
O profissional no cargo de Criador de Bicho-da-seda - Empregador CBO 6134-20 trabalhando no Brasil, ganha entre 1.579 e 2.356 para uma jornada de trabalho média de 43h semanais de acordo com dados salariais de 6 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 6134-20.