CBO 2252-35 - Médico-cirurgião plástico - Descrição do cargo, funções, competências e atividades exercidas pelos médicos em especialidades cirúrgicas

O profissional no cargo de Médico-cirurgião plástico CBO 2252-35 realiza diagnóstico e tratamento cirúrgico para restauração, reconstrução ou alteração do corpo – ou parte do corpo – de paciente que apresenta má-formação congênita, defeito, deformidade, tumor, ou problema estético com decorrente diminuição de bem-estar e autoestima Executa processo de intervenção cirúrgica, selecionando equipe, estimando riscos, analisando condição de saúde de paciente e definindo técnica de cirurgia.

Acompanha a recuperação de paciente após a cirurgia Registra procedimentos efetuados Atua no Sistema Único de Saúde (SUS).

Supervisiona equipe Mantém-se atualizado na sua área de atuação Realiza pesquisas e divulga conhecimentos médicos.

Atua com base em princípios de ética profissional Cumpre legislação, normas técnicas e normas regulamentadoras de saúde e segurança no trabalho, de biossegurança e de preservação ambiental

CBO 2252-35 é o Código Brasileiro da Ocupação de médicos em especialidades cirúrgicas que pertence ao grupo dos profissionais das ciências biológicas, da saúde, segundo o Secretaria da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Confira funções, descrição do cargo de Médico-cirurgião plástico, atividades principais, atribuições, mercado de trabalho, dados salariais oficiais atualizados para a função, bem como o salário pago para os Médicos em especialidades cirúrgicas CBO 2252-35 em todo Brasil.

Divisões de categorias profissionais do CBO 2252-35

  • Profissionais das ciências e das artes.
    • Médicos em especialidades cirúrgicas.
      • Profissionais das ciências biológicas, da saúde.

O que faz um Médico-cirurgião plástico

O Médico-cirurgião plástico CBO 2252-35 planeja a realização de atividades relacionadas à cirurgia plástica, em consultório ou ambulatório e em hospital Seleciona e testa o funcionamento de equipamentos e instrumentos para cirurgia.

Recepciona paciente e, se for o caso, acompanhante.

Executa anamnese, perguntando para paciente sobre suas expectativas em relação à cirurgia plástica, histórico de doenças, alergia ou reação à anestesia, tabagismo, consumo de álcool, uso de medicamentos, entre outras questões Efetua exame físico completo de paciente e solicita exames complementares, como os laboratoriais e de imagem.

Realiza diagnóstico de estrutura danificada do corpo - devido a trauma, queimadura, sequela cirúrgica ou outra causa, de câncer de pele, de defeito cutâneo, de articulação lesada, ou de outro problema relacionado a órgão, tecido ou músculo Faz, ainda, avaliação do corpo – ou parte do corpo – para cirurgia com objetivos estéticos e funcionais.

Adota, em sua análise, o conceito de saúde-doença que, além de agentes etiológicos, considera fatores biológicos, psicológicos, econômicos, sociais e culturais.

Conversa com paciente e familiares, apresentando os resultados que poderão ser obtidos com o tratamento cirúrgico e explicando os riscos do procedimento (complicações e intercorrências possíveis) Realiza o planejamento da intervenção cirúrgica, atuando com equipe definida a partir dos objetivos do procedimento.

Seleciona seus auxiliares, estabelecendo o número e a qualificação da equipe para realização da cirurgia.

Avalia e define a técnica cirúrgica a ser adotada, conforme o problema detectado Analisa a opção de cirurgia a “laser”, para remover a pele danificada Considera o uso de dermoabrasão, que ajuda a refinar as camadas superficiais da pele por meio de método controlado de raspagem cirúrgica.

Verifica a necessidade de expansão de tecido, que permite ao corpo “gerar” pele extra para uso na reconstrução em quase todas as partes do corpo Avalia a realização de implantes faciais, que trazem equilíbrio e melhor proporção para a aparência estrutural do rosto Analisa o tratamento cirúrgico da fase aguda de queimadura, que pode começar com uma simples remoção do tecido desvitalizado chegando aos retalhos e às enxertias de pele.

Atua junto com médicos cardiologista e anestesiologista para estimar o risco operatório e decidir se paciente tem condições de saúde para ser operado Identifica e trata complicações clínicas antes da operação.

Presta instruções pré-operatórias para paciente Executa procedimento cirúrgico para restauração de deformidades e defeitos relacionados a traumatismo, queimadura, má-formação congênita, ressecção de tumor e envelhecimento natural Remove lesões cancerígenas utilizando técnicas especializadas para preservar a aparência de paciente.

Realiza cirurgia plástica reconstrutora oncológica para restabelecer a forma e a função dos órgãos e tecidos de pacientes operados por cirurgião geral, cirurgião de cabeça e pescoço ou médico de outra especialidade Pode realizar cirurgias reparadoras em crianças, como correção da estrutura da orelha, correção das fissuras labiais e palatinas, entre outras No pós-operatório de cirurgia, atua com equipe multidisciplinar para prestar assistência para paciente, cuidando de curativos e prestando orientações de medicação.

Agenda retornos em consultório após a alta hospitalar, monitorando o processo de cicatrização e o resultado da cirurgia Registra procedimentos efetuados em prontuário de paciente Elabora relato do ato cirúrgico.

Atua em saúde pública, prestando serviço em cirurgia plástica no Sistema Único de Saúde (SUS) Difunde conhecimentos médicos, elaborando e divulgando artigos científicos Mantém-se atualizado na sua área de atuação, avaliando inovações tecnológicas Supervisiona equipe, avaliando e orientando seu desempenho Realiza pesquisas em cirurgia plástica, abordando temas diversos, tais como cirurgia plástica do contorno corporal, e cultura celular e engenharia de tecidos.

.

Funções do cargo

O funcionário CBO 2252-35 deve demonstrar competências pessoais, tratar paciente - como ser biopsicossocial, administrar serviços de saúde, praticar intervenções cirúrgicas, difundir conhecimentos médicos, elaborar documentos médicos, realizar consulta e atendimento médico, implementar ações para promoção da saúde.

Condições de trabalho dessas profissões

Médicos em especialidades cirúrgicas os cargos dessa família CBO desenvolvem suas atividades nos setores de saúde, serviços sociais, ensino, pesquisa e desenvolvimento. Atuam como autônomos sem supervisão permanente, podem trabalhar individualmente ou em equipe, desenvolvem as atividades em locais fechados e em horários irregulares. Em algumas situações, trabalham em posições desconfortáveis por longos períodos e, devido á natureza e responsabilidade do próprio trabalho ficam sujeitos á situação de estresse. Em algumas das ocupações os profissionais podem estar sujeitos a ação de materiais tóxicos, químicos, radioativos e biológicos.

Exigências do mercado de trabalho para o CBO 2252-35

As ocupações são exercidas por profissionais de nível superior, credenciados pelo CFM Conselho Federal de Medicina. O exercício da função se dá após o período de um a dois anos de experiência profissional mais curso de especialização ou residência médica na área de atuação.

Atividades exercidas por um Médico-cirurgião plástico CBO 2252-35

Um Médico-cirurgião plástico (ou sinônimo) deve encaminhar pacientes a outros profissionais, demonstrar capacidade de administrar o tempo, discutir diagnóstico, prognóstico e tratamento com pacientes, responsáveis e familiares, demonstrar capacidade de atenção seletiva, acompanhar evolução médica do paciente, executar tratamentos com agentes químicos, indicar tratamento, demonstrar rapidez de percepção, prestar consultorias e assessorias, emitir laudos, demonstrar ações médicas, demonstrar capacidade de adequar linguagem, diagnosticar estado de saúde de pacientes, selecionar equipe de trabalho, demonstrar tolerância, implantar próteses e órteses, fiscalizar treinamento médico, rastrear doenças prevalentes, interpretar dados de exames clínicos e de exames complementares, estabelecer prognóstico, demonstrar empatia, emitir atestados, prescrever medidas higiênico-dietéticas, auxiliar normatização de atividades médicas, especificar insumos, organizar encontros científicos, preservar orgãos e tecidos, montar escala de serviços, demonstrar capacidade de interpretar linguagem verbal e não-verbal, administrar situações de urgência e emergência, gerenciar recursos financeiros, executar terapêutica genética, demonstrar altruísmo, desenvolver pesquisas em medicina, promover campanhas de saúde, demonstrar capacidade de lidar com situações adversas, realizar anamnese, emitir pareceres, ministrar tratamentos preventivos, praticar intervenções clínicas, operar equipamentos e instrumentos, demonstrar capacidade de saber ouvir, praticar procedimentos intervencionistas, redigir trabalhos científicos, implementar medidas de biossegurança, encaminhar orgãos e tecidos, tratar intercorrências, demonstrar capacidade de efetuar atendimento humanizado, elaborar procedimentos operacionais padrão, realizar exames complementares, estabelecer plano de ações em saúde, constituir comissões médico-hospitalares, participar de diretorias de associações, entidades de classe e conselhos de saúde, preparar material didático, atender interconsultas, ministrar aulas, demonstrar capacidade de preservar sigilo médico, avaliar atos médicos, elaborar protocolos de condutas médicas, emitir declarações, desenvolver procedimentos, planejar tratamento de paciente, supervisionar atos médicos, efetuar perícias, auditorias e sindicâncias médicas, acompanhar plano terapêutico do paciente, supervisionar equipe, demonstrar imparcialidade de julgamento, receitar medicamentos, prescrever imunização, desenvolver equipamentos, promover atividades educativas, avaliar opções terapêuticas, realizar exame físico, realizar atendimentos de urgência e emergência, preencher formulários de notificação compulsória, selecionar pacientes em situações específicas, distribuir tarefas, elaborar relatórios, coordenar programas de saúde, elaborar documentos de imagem, elaborar projetos de pesquisa, participar de encontros, congressos e demais eventos científicos, solicitar exames complementares, demonstrar capacidade de liderança, descrever ações médicas, realizar visitas hospitalares, emitir receitas, realizar diagnóstico de saúde da comunidade, executar tratamentos com agentes físicos, prescrever tratamento, demonstrar capacidade de trabalhar em equipe, checar equipamentos e instrumentos, solicitar internação, retirar orgãos e tecidos, organizar cursos de educação continuada, realizar visitas domiciliares, elaborar material informativo e normativo, executar transplantes de orgãos e tecidos, realizar propedêutica instrumental, elaborar prontuários, avaliar conhecimentos de especialistas, solicitar interconsultas, divulgar informações em mídia, executar tratamentos com agentes biológicos, levantar hipóteses diagnósticas, avaliar riscos da cirurgia, selecionar órteses, próteses e materiais especiais, demonstrar capacidade de decisão, definir técnica cirúrgica, definir equipe cirúrgica, selecionar equipamentos e instrumentos, despachar expediente.

Cargos e salários CBO 2252-35 - Médicos em especialidades cirúrgicas

Salário Médico Cirurgião Plástico

Médico Cirurgião Plástico: Brasil

  • 82
  • Brasil
  • 5.374 - 12.782
  • 25h
O profissional no cargo de Médico Cirurgião Plástico CBO 2252-35 trabalhando no Brasil, ganha entre 5.374 e 12.782 para uma jornada de trabalho média de 25h semanais de acordo com dados salariais de 82 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2252-35.
Salário Cirurgião Plástico

Cirurgião Plástico: Brasil

  • 82
  • Brasil
  • 5.374 - 12.782
  • 25h
O profissional no cargo de Cirurgião Plástico CBO 2252-35 trabalhando no Brasil, ganha entre 5.374 e 12.782 para uma jornada de trabalho média de 25h semanais de acordo com dados salariais de 82 colaboradores registrados em regime CLT. Clique e confira a pesquisa salarial completa do cargo CBO 2252-35.